Categoria: Finanças (Page 1 of 3)

Dicas para administrar o fluxo de caixa do seu pet shop

Para evitar prejuízos e controlar os gastos de sua empresa é preciso conhecer as dicas para administrar o fluxo de caixa do seu pet shop. Aqui neste artigo você encontra as principais informações para manter o seu negócio, além de melhorar a administração do mesmo.

Sabemos que toda a sua concentração e recursos são investidos na atração de clientes para o crescimento da sua empresa.

Porém, gerenciar uma empresa no segmento de serviços para animais, a qual está em um dos mercados mais concorridos do mundo, vai além do desenvolvimento e da venda de uma boa ideia de negócio. Portanto, aqui mencionaremos 3 dicas para administração do fluxo de caixa do seu pet shop.

Todas as empresas devem ser rentáveis ​​e, para isso, as finanças internas devem estar em ordem. No entanto, muitas empresas ficam aquém dos seus fluxos de caixa, caindo para zero ou negativo.

3 Dicas para administração do fluxo de caixa do seu pet shop

Uma ótima dica é obter um software para pet shop, que nada mais é que um sistema de interface simples que auxilia na administração de empresas, em que o proprietário e pessoas permitidas por ele podem conferir os relatórios financeiros, estoque de produtos, agendamento de consultas, entre outros.

Se você se identificar com esse problema, observe estas três dicas básicas que todo fluxo de caixa saudável deve considerar:

  1. Reduzir custos

Caso, seu caixa estiver sob pressão constante para cuidar dos custos operacionais diários, você deve ajudar a descompactar o máximo possível.

Isso significa que você deve reduzir custos, mas evite fazê-lo indiscriminadamente. Comece reduzindo despesas variáveis ​​e aplique melhorias em sua estrutura de custos, como atualizar seu preço de venda de acordo com as tendências do mercado e renegociar constantemente seus valores de matéria-prima.

  1. Aplicar pedido

O fluxo de caixa é o “sangue” da sua empresa. Qualquer coisa que bloqueie essa fluidez acabará prejudicando seus negócios. Portanto, certifique-se de implementar essas boas práticas para fazer seu pedido:

  • Permita que seus clientes paguem parcelado, para que o dinheiro sempre seja investido.

  • Oferece facilidades de pagamento além do cheque.

  • Incentive seus clientes a pagar com prêmios (desconto para pagamento imediato).

  • Crie uma reputação de bom pagador de suas próprias dívidas e contas a pagar.

  • Organize a contabilidade com a ajuda de uma planilha ou software de gerenciamento para pet shop.

  • Organize o pagamento de seus fornecedores em datas diferentes das contas a receber de seus clientes.

  1. Organizar pagamentos

Existem três princípios inalienáveis ​​que se aplicam às contas a receber pelo gerenciamento sólido do fluxo de caixa:

  • Saiba quanto eles lhe devem

  • Saiba quanto você deve

  • Saiba quando pagar

Equilibrar esses três princípios não é fácil, pois você cumpre uma função dupla: fornecedor e cliente. Uma solução é agendar antecipadamente seus pagamentos e a dívida de seus clientes.

Este exercício, ajudará você a saber exatamente qual é o seu ponto de equilíbrio; o momento em que sua renda totaliza suas despesas. Depois de ter esclarecido esse fator, você saberá em quais datas do mês você terá dinheiro para cumprir suas obrigações e quando novos recursos entrarão na caixa.

Dica extra: Tenha um plano B

Ter diferentes fontes de financiamento disponíveis para enfrentar contingências, como o endividamento excessivo, clientes que não desejam pagar ou são imponderáveis.

Aplique as seguintes alternativas simultaneamente para que você nunca fique sem fluxo:

  1. A reserva da reserva. Manter uma reserva, equivalente às despesas de um quarto, que é intocável, exceto em emergências.

  2. Créditos. Se sua empresa estiver financeiramente madura, você terá mais chances de obter um crédito ou uma linha de crédito em um banco ou instituição financeira regulamentada pela Comissão do Mercado Financeiro.

  3. Programas estaduais. Pesquise sobre os programas de benefícios estatais que apoiam a gestão das pequenas e médias empresas, com recursos ou conselhos.

Você não precisa ser um especialista financeiro para gerenciar adequadamente o fluxo de caixa da sua empresa. Mantenha suas receitas e despesas em ordem e adiante pagamentos e cobranças o máximo possível.

Lembre-se sempre de que o gerenciamento eficiente do fluxo de caixa é um sinal da maturidade da empresa aos olhos do mercado. No entanto, sua má administração pode levar seu negócio ao fracasso.

Vender consórcio para comprar um imóvel? Confira 6 erros comuns que você deve evitar

Pensando em vender seu consórcio para comprar sua primeira casa? Para muitos compradores iniciantes, o processo pode ser tão confuso quanto emocionante.

Estar ciente de algumas das armadilhas mais comuns ajuda as coisas a correrem o mais suavemente possível, para que você possa minimizar seu estresse e potencialmente economizar algum dinheiro ao longo do caminho.

Por este motivo, a Consórcio na Web separou alguns dos erros mais comuns que os compradores iniciantes cometem:

1.      Comprar mais do que você pode pagar

Pode parecer óbvio, mas comprar uma casa fora do seu orçamento da sua cota de consórcio é um dos erros mais comuns para os compradores iniciantes.

Seja você apegado a uma casa além da faixa de preço, ou seja, aprovado para um financiamento maior do que você pode pagar, ser realista sobre o orçamento existente e as despesas futuras ajudarão a evitar o remorso de qualquer comprador.

2.      Não planejando com antecedência

Quando se trata de comprar uma casa, seja com a venda de uma cota de consórcio ou não, o planejamento antecipado compensa.

Em vez de se apressar em uma compra, vale a pena reservar um tempo para planejar e organizar suas finanças.

Isso pode incluir a espera de um ano ou dois a mais para economizar um adiantamento maior ou dedicar um tempo para melhorar sua pontuação de crédito para que você possa acessar uma melhor taxa de juros. Ser paciente com o processo de compra de casa pode ajudá-lo a economizar dinheiro a longo prazo.

3.      Tomar decisões baseadas exclusivamente em emoção

Vender meu consórcio para comprar sua primeira casa é um dos maiores compromissos financeiros que você fará.

Portanto, é uma boa ideia pensar na compra de casa como uma decisão de negócios, não apenas pessoal.

Por mais tentador que seja escolher uma casa com base apenas em uma lista de desejos, você pode acabar comprando uma casa que não é um bom investimento ou fazer lances muito altos apenas para vencer a concorrência.

É importante que a casa em que você se instala não apenas o faça feliz, mas também seja uma boa decisão financeira.

4.      Drenando suas economias

Embora muitas vezes seja ideal oferecer um adiantamento maior, você não deve esvaziar suas contas de poupança para que isso aconteça. Usar fundos de emergência ou economias de aposentadoria que você reservou pode parecer uma boa ideia no momento, mas pode custar a longo prazo.

Em particular, como as novas casas podem exigir reparos ou reformas inesperadas, a falta de dinheiro pode colocá-lo em uma posição ruim.

5.      Comprar antes de solicitar um financiamento

Olhar para casas em potencial é muito mais divertido do que resolver suas finanças. É comum que os compradores iniciantes iniciem a visualização das propriedades antes mesmo de terem uma ideia do que podem pagar.

Embora isso possa ser tentador, você pode se decepcionar se uma casa que você ama não acabar na sua faixa de preço.

Para evitar surpresas desagradáveis, a coisa mais inteligente a fazer é ter uma ideia do que você pode pagar antes de começar a fazer compras.

6.      Ignorando despesas extras

A compra de uma casa é mais do que apenas o pagamento da mesma. Assim como você planeja e orça sua compra e venda de cota de consórcio, você também deve se preparar para quaisquer despesas adicionais em que possa incorrer durante o processo de compra ou depois de comprar sua casa.

Familiarize-se com os custos médios de serviços públicos onde você mora e, dependendo de sua propriedade, quaisquer taxas de manutenção, taxas de condomínio ou outros custos associados.

Especialmente para compradores iniciantes, vender meu consórcio para comprar uma casa pode ser um processo estressante e imprevisível.

Planejando com antecedência e instruindo-se sobre algumas práticas recomendadas, você pode ajudar a torná-la uma experiência mais suave e evitar gastar mais do que o necessário.

Como comercializar seu produto ou serviço na Internet?

Como gerente de negócios, seu desafio diário também é agir para promover seus negócios, especialmente na Internet.

Tenho certeza que você tem muitas perguntas sobre como chegar lá.

Para que sua empresa se desenvolva e prospere serenamente, saiba como obter mais visibilidade e mais tráfego em seu site, seja vendendo algum tipo de produto ou serviço, exemplo, venda de clareador dental ou prestação de serviços, talvez: venda de pacote de intercâmbio.

Na Inbounder Marketing temos um discurso muito coerente sobre o assunto. 

Não é fácil divulgar sua empresa na Web, além de se desdobrar para destacar-se de muitos concorrentes. Não é um milagre, apenas o nosso método comprovado em Inbound Marketing é capaz de alcançar esses resultados” – Inbounder Marketing

Excelente ideia !

Descubra de maneira clara e didática o método para divulgar sua empresa na Web.

Meu objetivo é primeiro gerar mais tráfego para seu website e otimizar suas conversões para conquistar mais clientes e, por fim, fornecer um livro de conhecimentos sobre o determinado assunto ou produto

Esse é o objetivo de todo comércio?

Com a rotatividade de novos visitantes e clientes, você pode reinvestir para obter ainda mais visibilidade, mais tráfego, mais clientes …

O segundo objetivo deste artigo é também economizar um tempo precioso em todos esses aspectos, orientando você passo a passo com esse método educativo de como alcançar novos resultados em seu negócio

Encontrar clientes com a Internet é inevitável!

Hoje em dia, todo mundo está na Internet e seus clientes também.

Os números provam isso!

  • Quase todo mundo tem um smartphone (65%),
  • 93% dos brasileiros usam o Google regularmente

Além disso, se sua atividade oferece seus produtos e / ou serviços a outras empresas

  • 95% das empresas têm um site,
  • 99% têm um PC conectado à Web com um endereço de e-mail que consultam todos os dias.

Obviamente, é sempre possível encontrar atividades que acontecem sem a Internet. Mas está se tornando cada vez mais raro!

Para se convencer, confira meu guia completo de Marketing Digital .

Marketing na Internet dá resultados reais, está comprovado!

Na Inbounder Marketing Digital, estamos convencidos há muito tempo queexpandir um negócio pela Internet não é apenas possível, mas também a solução ideal .

No passado, Inbounder desenvolveu todos os seus negócios aplicando estratégias de Marketing Digital, com resultados espetaculares de crescimento.

Seja no mapeamento do consumidor, análise de concorrência, seus resultados provam que a abordagem proposta funciona independentemente do seu campo de atividade.

O objetivo do Marketing na Internet é universal: dê mais visibilidade ao seu negócio  !

Aqui estão 7 áreas de trabalho disponíveis para promover seus negócios na Internet:

  • Formalize os três pilares básicos para suas ações de Marketing Digital,
  • Dê vida ao seu site publicando conteúdo de qualidade,
  • Trabalhe nas regras de otimização de site para o seu SEO – Tráfego Orgânico no Google,
  • Promova seu conteúdo nas redes sociais onde seus clientes estão,
  • Crie um relacionamento direto nas suas campanhas de email,
  • Se necessário, invista mais em publicidade on-line para acelerar o retorno do investimento,
  • Monitore e analise os resultados obtidos para melhorar suas ações.

Como divulgar sua empresa na Internet, em 7 etapas principais?

1. Formalize os 3 pilares do seu Marketing Digital

Os três pilares fundamentais da presença eficaz na Internet são:

  • Defina seu alvo,
  • Analise seus concorrentes,
  • Estabeleça metas realistas.

Defina seu alvo com uma Persona

Antes de divulgar sua empresa na Internet, defina bem seu objetivo: quem você deseja alcançar ?

De fato, não faz sentido tornar sua empresa conhecida “para todos os brazucas, de 7 a 77 anos”… É um esforço colossal e, além disso, não é lucrativo! Assim você pode perder o dinheiro investido se não escolher o público certo que tem interesse no seu produto ou serviço.

Para promover sua empresa e sua oferta, concentre-se no segmento de mercado que lhe interessa .

Então, comece definindo seu cliente-alvo, suas características, comportamento, desafios … Você simplificará sua vida de empreendedor com mais resultados!

No Marketing Digital, use uma ferramenta adaptada que define, o retrato do robô do seu cliente ideal.

Analise seus concorrentes:

Você deve ter concorrentes ativos em seu mercado, com certeza

Simplesmente, para sua visibilidade na web, faça melhor que seus principais concorrentes diretos .

  • Se, para uma determinada palavra-chave, as páginas do website estão na 4ª posição nas páginas de resultados do Google, basta ficar na posição 3 com a mesma palavra-chave!
  • Seu concorrente tem uma página comercial do LinkedIn com 100 assinantes? Objetivo é chegar a 200.
  • Sua newsletter é enviada para 1.000 clientes em potencial? Seu objetivo é, portanto, alcançar rapidamente 2.000!

Fazer um pouco melhor do que sua concorrência está começando a tornar suas ações visíveis na web.

Depois, ao longo dos meses, amplie a diferença para deixar seus concorrentes para trás.

Meu conselho : verifique também se você está muito à frente de seus concorrentes, analisando a estratégia de SEO deles .

Defina claramente seu objetivo

Você não pode falar sobre visibilidade na Web sem definir uma meta clara e realista.

De fato, sem um objetivo bem definido, você é levado com o vento (assim indo para qualquer direção) . Impossível definir quais ações implementar, nem quando, nem por que!

Minha recomendação é simples, defina 2 objetivos:

  • Primeiro, aumente o tráfego do site da sua empresa o mais fortemente possível . Por exemplo, defina-se de 20 a 500 visitantes por dia, e isso nos próximos 6 meses,
  • Então, continuando a gerar tráfego na Web, melhore suas taxas de conversão : o número de contatos, pedidos feitos em seu site … Por exemplo, seu objetivo pode ser aumentar a taxa de visitantes em seu site que assine sua newsletter de 1 a 5% em 3 meses.

É difícil se concentrar nessas duas metas ao mesmo tempo, então comece a direcionar tráfego e otimize suas taxas de conversão em uma segunda etapa.

Meu conselho  : para definir objetivos mensuráveis ​​e realistas, use a metodologia SMART .

2. Invista no seu site e publique regularmente conteúdo de qualidade

No Marketing Digital, o site da sua empresa é seu único ativo duradouro!

Sua página do Facebook depende da boa vontade do Facebook, dos caprichos de seu algoritmo de classificação de publicação, etc.

O mesmo vale para a sua página e perfil do LinkedIn, sua conta do Twitter, seu canal do YouTube …

Tudo na Internet é “perecível”, exceto o seu nome de domínio e o site anexado.

O site da sua empresa é o único ativo na Internet que ninguém pode tirar de você .

Contanto que você pague a taxa anual pelo seu nome de domínio e seu host , seu site estará disponível!

Meu conselho:  centralize todo o seu conteúdo e a maioria dos seus esforços de Marketing Digital em seu site profissional. Considere isso como um ativo “financeiro” do seu negócio, porque é um!

Seus clientes consomem conteúdo para se convencer antes de comprar

Hoje, todos os usuários da Internet e, em particular, seus futuros clientes, consomem conteúdo o dia inteiro:

  • Artigos de blog,
  • Tutoriais escritos ou em vídeo,
  • Infográficos,
  • White Papers…

Todo esse consumo de conteúdo atende a vários objetivos:

  • Diverta-se,
  • Aprender,
  • Decidindo comprar.

O conteúdo publicado por sua empresa deve atender a cada uma dessas intenções do usuário .

Seus futuros clientes estão procurando conteúdo interessante, útil, relevante e informativo.

Por quê ?

Para entender sua oferta, determine sua adequação às necessidades e ao nível de qualidade que você oferece …

O objetivo deste conteúdo é convencê-los a comprar de você, e não de seus concorrentes!

Dito isto, para tornar sua empresa conhecida na Internet a longo prazo, a decisão a seguir é estabelecer uma estratégia de conteúdo regular e relevante .

A eficiência da produção regular de conteúdo gratuito não deve mais ser demonstrada. No B2B , as empresas que publicam conteúdo geram 67% mais perspectivas do que aquelas que não geram, igual a um exemplo de um de nossos cliente, no ramo de mudanças – e para eles terem resultados, eles vem investindo no marketing de conteúdo.

Ao publicar regularmente, você ganhará a lealdade do público.

Esses leitores nem todos estão necessariamente interessados ​​na sua oferta, mas ainda podem falar sobre isso na rede deles.

Assim, você encontra indiretamente clientes.

Obviamente, o objetivo é, acima de tudo, produzir conteúdo que agrade diretamente seus clientes em potencial. Daí a necessidade de descrever adequadamente sua persona, como mencionado acima.

Publique conteúdo para seus clientes em potencial

Você descreveu suas personas, analisou seus concorrentes e definiu seu objetivo em termos de visibilidade na Web.

Você está convencido de que o site da sua empresa é o principal local para investir tempo e dinheiro para oferecer conteúdo interessante e útil aos seus clientes!

Então agora é hora de começar a produzir esse conteúdo de maneira estruturada e eficiente.

Como produzir conteúdo que agrade aos seus futuros clientes?


Siga estes guias úteis que mostram o caminho:

  • Escolha os tipos de conteúdo mais adequados para transmitir sua mensagem,
  • Inspire-se com essas 7 dicas para trabalhar em seu conteúdo de  maneira profissional,
  • Encontre metodicamente as palavras-chave mais usadas por suas personalidades  antes de criar seu conteúdo,
  • E se você já possui conteúdo online, aqui estão 22 maneiras de aprimorá-lo  !

A chave para obter mais visibilidade e tráfego para o seu site? Publique regularmente o conteúdo que seus futuros clientes desejam ler!

Conclusão sobre como comercializar seus negócios na Internet

Como você pode ver, divulgar seus negócios na Internet é acima de tudo uma questão de método e prática. É certo que isso representa um pouco de tempo, organização e as ferramentas certas … Mas é essencial para conquistar novos clientes.

Na inbounder Marketing, nos esforçamos para tornar seu trabalho mais fácil, divertido e menos técnico.

Ao longo deste artigo, apresentei a metodologia prática, simples e eficaz em 7 eixos para divulgar seus negócios na Web:

  • Formalize os três pilares fundamentais no seu Marketing Digital,
  • Invista no seu site e publique regularmente Conteúdo,
  • Trabalhe nos conceitos básicos de SEO,
  • Promova seu conteúdo onde seus futuros clientes estão,
  • Comunique-se com sua comunidade com campanhas de email
  • Se necessário, invista em campanhas de publicidade on-line,
  • Acompanhe seus resultados e melhore seus indicadores.

Ao aplicar esse método, o número de visitantes diários pode estar na casa dos milhares.

E ai, gostou no nosso conteúdo? Esse é apenas um pedacinho que a Inbounder preparou para você, se você precisa de apoio técnico e especialista em marketing digital, entre em contato conosco em nosso website: https://www.inbounder.com.br­­

O que você precisa saber para criar uma empresa nos EUA

Por que é mais fácil estabelecer negócios nos Estados Unidos do que em outros países? Mark White, advogado internacional de negócios da White-summers.com, tem a resposta: “Não há requisitos mínimos de capital nem diligência na verificação de antecedentes dos fundadores.

Confira agora – Abertura de empresa nos EUA.

Também não é necessário ser cidadão dos Estados Unidos e existe uma grande variedade de modelos de negócios que permitem flexibilidade na estrutura e como a empresa gerencia seus negócios. ” Essa agilidade é talvez a chave para criar uma média de 600.000 empresas por ano neste país. José Mateos, vice-presidente da Câmara de Comércio Espanhola da Califórnia, diz que “por US $ 200 e em um dia você pode ter uma empresa”.

abertura_de_empresa_nos_eua

Mas ele insiste que a constituição legal de uma empresa não é tão importante para fazer negócios em um país “, legislação trabalhista, impostos, talento ou mercado podem ser decisivos”.

Para que nada o surpreenda em sua aventura americana, estes são alguns dos elementos que White aponta e que você deve ter em mente:

Visa Você precisa de um visto L1 (transferência) ou E2 (inversor). Você não precisa de uma certa quantia para capitalizar a empresa ou que seus funcionários sejam americanos. Apenas um endereço no país e um número de telefone, o celular é suficiente.

Capital de risco Eles financiam apenas as empresas instaladas em Delaware, porque ali as leis são mais flexíveis. A empresa precisa solicitar uma permissão para fazer negócios nos estados onde possui um escritório e, em cada um deles, impostos e jurisprudência sobre responsabilidade fiduciária para com os acionistas minoritários diferem. De resto, as leis corporativas e comerciais geralmente coincidem na maioria dos estados.

Impostos Todas as empresas pagam o imposto federal de 35%, os residentes nos Estados Unidos também devem pagar o estado. Os governos estaduais e locais também podem impor imposto de renda, variando de 1% a 12%. A taxa de imposto é de 40%.

Renda Os rendimentos são tributados durante o ano em que foram recebidos e também no momento da distribuição aos acionistas. Os de uma organização fazem isso duas vezes: como entidade independente e com os acionistas, quando os benefícios são distribuídos através de dividendos.

À procura de um investidor. José Mateos, vice-presidente da Câmara de Comércio Espanhola na Califórnia, diz que “os investidores americanos gostam de olhar para novas idéias que vêm de fora. Essa é uma das vantagens, às quais se acrescenta que as empresas estrangeiras pensam globalmente, diferentemente de muitas empresas nacionais ”. Ele acrescenta que “os procedimentos são muito ágeis, quase não há atrasos, um fator que contribui positivamente para o desenvolvimento futuro dos negócios”.

Cuidado com … Se você deseja implementar sua empresa nos Estados Unidos, a falta de rede pode ser o maior problema no começo. Como na Espanha, as recomendações são muito importantes para visitar um cliente em potencial ou um investidor em potencial. O estrangeiro começa do zero. É melhor planejar a viagem com antecedência para entrar em contato com potenciais colaboradores, parceiros e fornecedores. Não é demais usar a tecnologia 2.0 para testar seu produto ou serviço: é uma maneira de se adaptar às demandas dos clientes.

As vantagens de ser visível em uma vitrine para o mundo

Eneko Knorr é o fundador da Ludei , uma plataforma de jogos html5. Ele criou a empresa no ano passado e seu principal objetivo é torná-la líder de mercado. “O lançamento de um produto de sucesso nos Estados Unidos dá acesso imediato a outros países. O que é criado aqui tem uma visibilidade global ”, explica Knorr, que também aponta outra vantagem, caso a empresa esteja estabelecida no Vale do Silício:“ Existem muitas possibilidades de obtenção de financiamento.

Obviamente, a competição para atrair investimentos é enorme, mas é compensada com as enormes quantidades de dinheiro. Diz-se que na meca das novas tecnologias mais de 5.000 start-ups coexistem em busca de investimento. A competição é feroz. ”

Ter a possibilidade de atingir um mercado de 300 milhões de clientes em potencial é uma das grandes atrações do mercado americano. Knorr alerta que “a mesma tecnologia criada em Múrcia ou no Vale do Silício não tem a mesma chance de sucesso.

 

Imposto de Renda Pessoal: Tudo sobre o imposto de renda de Pessoas Físicas

No território espanhol, as pessoas singulares devem pagar o imposto de renda das pessoas singulares, também conhecido por suas iniciais IRPF; tributo que é considerado uma fonte significativa de renda para os cofres do estado.

Mas a verdade é que existem muitas dúvidas sobre o assunto, apesar de sua onipresença nas obrigações tributárias de muitos contribuintes, entre os quais os independentes e empregados, entre outros. Portanto, se você já está envolvido em uma atividade de trabalho ou pensa em iniciar uma, é aconselhável descobrir o imposto e sua natureza, bem como os prazos e métodos de conclusão.

ITCMD

O que é exatamente o imposto de renda pessoal?

imposto de renda pessoal (imposto de renda pessoal) é um imposto pessoal direto, pois tributa diretamente a renda obtida por pessoas físicas com residência habitual em território espanhol ou por pessoas que, cumprindo uma das circunstâncias incluídas no O artigo 10 da Lei 35/2006 tem residência no exterior. Também é progressivo, uma vez que o valor a ser pago é proporcional ao valor dos retornos (quanto mais renda, maior o valor do imposto). Ou seja, seus princípios são os de igualdade, generalidade e progressividade. Opõe-se ao imposto sobre as sociedades , que tributa os rendimentos de pessoas jurídicas .

Confira também: Imposto ITCMD

 Definição: Imposto de renda pessoal

A Lei 35/2006 define o imposto de renda pessoal conforme citado abaixo: “O imposto de renda pessoal é um imposto pessoal e direto que tributa, de acordo com os princípios de igualdade, generalidade e progressividade, a renda das pessoas físico de acordo com sua natureza e suas circunstâncias pessoais e familiares ”.

Em outras palavras, a lei estabelece que freelancers e funcionários devem pagar um imposto ao Tesouro pelos retornos das atividades econômicas, no caso dos primeiros, e pelos retornos dos trabalhos nos últimos, ou seja, pelos rendimentos obtidos ao executar uma atividade de trabalho. Porém, como nem todos ganham o mesmo, não seria justo que todos eles tivessem o mesmo tipo de imposto aplicado e, portanto, que a proporção de pagamento do imposto fosse a mesma.

Além disso, deve-se notar que, apesar de ser um imposto que tributa a renda obtida durante o exercício fiscal, não é (apenas) cobrado após o término desse período, mas que a Agência Tributária está entrando em ciclos mais curtos. Mas como? É aqui que as retenções entram em jogo .

O imposto de renda pessoal das pessoas empregadas

Embora os funcionários tenham que apresentar a famosa e, ao mesmo tempo, temida, declaração de renda para cada ano fiscal tributado, a verdade é que, mês após mês, eles estão pagando o imposto. No caso deles, são os empregadores que, do lucro bruto, retêm a cada mês o imposto de renda correspondente a cada folha de pagamento, mesmo que posteriormente o inscrevam na Agência Tributária trimestralmente.

Ou seja, retenções na conta são adiantamentos do imposto anual total a ser pago ao Tesouro. Dessa forma, a Agência Tributária garante o pagamento do imposto e os funcionários não precisam enfrentar uma quantia muito maior no final do ano. Eles não são determinados aleatoriamente, mas são calculados com base em uma série de estipulações em que não apenas o salário bruto anual obtido (desempenho no trabalho) é contemplado, mas também um conjunto de circunstâncias pessoais (incapacidade, número de filhos, status). civil etc.).

É importante indicar que essas estipulações podem variar dependendo do ano fiscal. No que diz respeito ao cálculo de retenções, os profissionais são frequentemente utilizados devido à sua complexidade, embora também possam ser calculados por meio de ferramentas criadas para esse fim, como o Serviço de Cálculo de Retenção. disponibilizado à Agência Tributária.

Terminado o exercício, o contribuinte é obrigado a apresentar a demonstração do resultado , onde é estabelecido se ele ainda não pagou imposto de renda pessoal ao Tesouro ou se, pelo contrário, o Tesouro deve devolver dinheiro. A obtenção de um ou outro resultado dependerá, em grande parte, de se as retenções foram ajustadas ao imposto de renda pessoal que a pessoa em questão teve que pagar. Embora nem todas as pessoas sejam obrigadas a enviar a declaração: se os retornos vierem de um único pagador e não excederem 22.000 euros brutos por ano, não será necessário enviá-la .

Os prazos estabelecidos para a apresentação deste documento na Agência Tributária decorrem entre abril e o final de junho ou o início de julho do ano após a liquidação. De qualquer forma, para que não haja confusão, o Tesouro apresenta anualmente o calendário geral do contribuinte, onde são estabelecidos os termos desta e de outras declarações e apresentações de documentos.

Quanto à forma em que é apresentada, a Agência Tributária disponibiliza o portal Renta WEB aos contribuintes , que serve tanto para obter o rascunho da declaração quanto para prepará-lo e enviá-lo. Esta apresentação pode ser online, embora também seja possível através de papel impresso.

O imposto de renda pessoal IRPF

Os trabalhadores independentes e as PME consideradas pessoas físicas também precisam pagar o imposto de renda pessoal, mas a tarefa é um pouco complicada. Primeiro, esses trabalhadores por conta própria e PMEs pagarão um ou outro imposto de renda pessoal, dependendo do regime tributário que lhes corresponde, e devem enviar ao Tesouro trimestralmente uma declaração para pagamento por conta do imposto (modelos 130 ou 131). Como no caso dos assalariados, esses pagamentos por trimestre servem para proceder à liquidação fracionada do imposto.

Os regimes tributários são três:

Regime normal de estimativa direta

Um dos requisitos para se qualificar para esse esquema é ter faturado mais de 60.000 euros líquidos no ano anterior. Outra não deve ser obrigada a pagar por módulos ou a renunciar a esse regime. Para calcular o imposto de renda pessoal que deve ser pago, você deve primeiro calcular qual é o retorno líquido, pois isso constituirá a base tributária do imposto. Para isso, as despesas dedutíveis são subtraídas do resultado. As parcelas indicadas pela Agência Tributária para o exercício fiscal são aplicadas ao resultado obtido. A autoavaliação trimestral do imposto é realizada neste caso com o modelo 130.

Regime simplificado de estimativa direta

Somente os trabalhadores independentes que não pagam por módulos e obtiveram menos de 60.000 euros líquidos de benefícios no ano fiscal anterior podem se beneficiar desse esquema. No retorno líquido, calculado conforme estimativa direta normal, são aplicadas as parcelas estabelecidas pelo Tesouro. A conclusão trimestral do modelo 130 também é necessária.

Esquema de estimativa direta objetiva ou por módulos

Nesse caso, o pagamento do imposto não é calculado diretamente no retorno líquido. Em vez disso, um valor fixo a ser tributado é determinado com base em uma série de indicadores (módulos): quantidade de pessoal assalariado, área das instalações, consumo de energia elétrica, etc.

No entanto, nem todos os freelancers podem optar por esse esquema; para se qualificar para isso, eles devem atender a uma série de requisitos (como não exceder um certo volume de retornos completos) e, além disso, a atividade que executam deve ser incluída na Ordem do Ministério das Finanças e Administração Pública do ano fiscal que corresponde. O imposto de renda pessoal por estimativa direta também deve ser declarado trimestralmente no modelo 131.

Como pode ser visto, a tributação de acordo com um ou outro regime pode influenciar positiva ou negativamente o imposto de renda pessoal que corresponde ao Tesouro. Portanto, ao se registrar no Tesouro com os modelos 036 ou 037, é importante levar em consideração os prós e os contras de cada regime e selecionar o mais adequado no formulário.

Além disso, alguns freelancers também precisam incluir a retenção de imposto de renda pessoal em suas faturas , embora as circunstâncias em que são forçados a fazê-lo estejam regulamentadas no artigo 95 do Decreto Real 439/2007. Esses tipos de retenções não são comunicados ao Tesouro pelos trabalhadores independentes que os aplicam às suas faturas, mas pelo pagador, e são feitos pelo modelo 110 ou 111.

Mas quais autônomos são exatamente obrigados a fazer essas retenções e quando? Os trabalhadores independentes que exercem uma atividade profissional devem aplicar uma retenção de 15% ou 7% (se forem novos profissionais ou pertencerem a determinadas atividades profissionais) nas faturas emitidas para outros trabalhadores independentes, PME ou entidades. Isso nunca se aplica a faturas para indivíduos. Algumas atividades do módulo também aplicam retenções de 1% em suas faturas. Aqueles que em 70% de suas faturas do ano anterior incluíram retenções na fonte não são obrigados a fazer as declarações de imposto de renda trimestrais.

 Conselho

As faturas são um documento fundamental da contabilidade que deve incluir uma série de campos específicos estipulados por lei. Se na sua empresa você precisar emitir faturas, mas não souber a estrutura que elas devem seguir, no Guia Digital, você encontrará um modelo de fatura para download no Word e Excel para adaptá-lo às suas necessidades.

Os trabalhadores independentes, assim como os indivíduos, também devem proceder à declaração anual do imposto de renda, embora o preenchimento deste documento possa ser uma tarefa um pouco mais complicada. No entanto, conhecer o regime tributário ao qual pertence, bem como saber quais despesas são dedutíveis, facilita muito a tarefa. Os períodos autorizados para a apresentação da declaração, bem como o modo de fazê-la, coincidem com o dos trabalhadores empregados por terceiros.

 

Como descobrir o código do Banco Itaú?

O código banco Itaú é um número que foi criado com o intuito de diferenciar esse banco dos outros em uma transação bancária. Existem dois tipos de códigos diferentes para um mesmo banco, e ambos possuem a mesma finalidade.

O que é código banco Itaú?

O termo código banco foi intitulado como uma forma de identificar cada uma das instituições bancárias existentes no Brasil. Cada código é composto por três dígitos numéricos, sendo o código banco Itaú representado pelos números 341.

Esses números querem dizer que o banco em questão está registrado no Banco Central com essa identificação. E é necessário informar o código toda vez em que for realizar uma transação bancária para outro banco diferente.

Como usar o código banco Itaú?

Para realizar uma transferência para outra instituição bancária, tanto TED quanto DOC, é necessário informar alguns dados essenciais do destinatário como:

  • Nome
  • CPF ou CNPJ
  • Conta
  • Agência
  • Código banco 

Suponhamos que Maria tenha conta no banco Bradesco e precisa realizar uma transferência bancária para o Itaú. Na hora de preencher os dados serão solicitadas as informações pessoais do beneficiário e será necessário informar o código banco Itaú para que o Banco Central consiga realizar a compensação bancária.

Código banco Itaú e outros códigos

Na realidade existem dois tipos de códigos para cada instituição bancária, o de três dígitos que é o código COMPE e o de oito dígitos, que é o código ISPB. Os dois possuem a mesma função, que é realizar a compensação bancária.

  • COMPE: Sistema de Compensação de Cheques e Outros Papéis
  • ISPB: Identificador de Sistema de Pagamentos Brasileiros

Mesmo tendo a mesma função, ao ter que informar o código banco será possível escolher apenas um na operação, e o mais comum a ser utilizado é o código COMPE. Mesmo raro, pode acontecer de o banco que procura não apareça na lista dos códigos de três dígitos, sendo necessário procurar na lista do ISPB.

Confira alguns dos códigos bancos das principais instituições:

  • Banco Itaú: 341 e 60701190
  • Banco do Brasil: 001 e 00000000
  • Caixa Econômica Federal: 104 ou 00360305

O que acontece se o código banco Itaú for informado errado?

Caso o código banco Itaú for digitado errado como, por exemplo, digitar sem querer um número a mais ou trocar um dos números acidentalmente, os dados informados irão ser analisados pelo Banco Central e o dinheiro será devolvido para a conta original.

 

Como saber se o banco é seguro

Na hora de abrir uma conta ou fazer qualquer tipo de investimento, muitos se perguntam sobre a segurança de alguns bancos e instituições financeiras. Mas como é possível ter esse conhecimento sobre os bancos do Brasil?

Com o desenvolvimento da internet, ficou mais fácil cometer golpes e fraudes contra as pessoas. No meio digital existem algumas instituições que prometem mundos e fundos, mas no fundo são fraudulentas. Como se precaver?

Primeiramente, se você precisa saber a idoneidade da empresa, pesquise nos órgãos que regulam s atividades dos bancos. Um deles é a CVM ou Comissão de Valores Mobiliários, no qual há uma lista de instituições financeiras e bancos do Brasil que estão autorizados e regulados e podem funcionar plenamente.

Caso não esteja, entre no cadastro geral. Por isso é importante que você pesquise bastante antes de aplicar seu dinheiro em qualquer banco.

Bancos digitais: eles são seguros?

Cada dia que passa surgem novos bancos do Brasil, na modalidade digital. No entanto, a pergunta que ainda passa pela cabeça de muitas pessoas é: esses bancos são seguros?

Os bancos digitais surgiram com o objetivo de facilitar a vida das pessoas. Em alternativa ao bancos tradicionais, eles propõem oferecer serviços mais eficientes, práticos e de baixo custo, diferente das tarifas que são cobradas pelos bancos mais conhecidos.

Os problemas que porventura venham a surgir com esses bancos referem-se ao vazamento de informações dos clientes por conta da invasão de hackers ou a ausência de suporte para as contas digitais. 

Fora isso, que é altamente grave, o banco que tiver uma baixa credibilidade diante dos clientes deve ser riscado da sua lista de bancos do Brasil que merecem ter seu investimento.

Bancos digitais x Fintechs

Embora as preocupações com os bancos digitais sejam diferentes dos bancos tradicionais, todos estão sujeitos ao fisco do Banco Central. No entanto, as exigências são maiores nos bancos do que com as instituições financeiras.

Isso porque o impacto da hipotética quebra de um banco grande dentro do sistema financeiro do país é muito maior do que a quebra de um banco digital.

Como a regulação das fintechs é mais branda, as obrigações legais delas também são mais amenas, o que as possibilita oferecer produtos mais acessíveis ao público e com um atendimento mais ágil.

Portanto, antes de investir em qualquer banco ou instituição financeira, pesquise bastante sobre ela, veja comentários de clientes satisfeitos e insatisfeitos e saiba se o banco é seguro ou não.

 

Saiba tudo sobre o Banco Bradesco

O banco Bradesco é uma das maiores e mais importantes instituições financeiras de nosso país e de todo o mundo.

O perfil dos clientes atendidos é muito diferente entre eles, isso porque, o banco Bradesco possui uma enorme variedade de serviços e está presente em todas as regiões do Brasil. 

E pensando que talvez você não conheça algumas características do banco, que nós reunimos as principais informação para você ficar antenado. 

História do banco Bradesco

O banco Bradesco existe em nosso país há 76 anos, fundado em Marília, interior do estado de São Paulo.

Esse sempre foi um banco que ganhou destaque por suas inovações. Para te dar um exemplo muito interessante, ele foi um dos primeiros bancos da América Latina que começou a utilizar computadores e disponibilizar cartões magnéticos para seus correntistas.

Banco Bradesco em números 

Atualmente o banco Bradesco possui mais de 4.500 agências espalhadas pelo Brasil. E o número de contas é surpreendente, mais de 30 milhões de contas correntes.

Principais produtos e serviços oferecidos pelo banco 

Já falamos da história e dos números, nada melhor do que conhecer os principais produtos e serviços que o Banco Bradesco oferece aos seus clientes, veja a seguir: 

  • Empréstimos e financiamentos 
  • Financiamento de Imóveis;
  • Financiamento de Carros;
  • Financiamento de Semestre da faculdade;
  • Financiamento de Material de construção;
  • Linhas de empréstimos;
    • Limite de crédito especial (crédito pré-aprovado que fica disponível na conta corrente);
    • Crédito consignado (empréstimo que é descontado direto no salário);
    • Microcrédito (oferecido para pequenos empreendedores).

Todos esses serviços estão sujeitos a análise de crédito e a consulta aos órgãos de proteção ao crédito (SPC e SERASA) são realizadas. Além disso, para solicitar cada tipo de serviço você precisa se enquadrar no perfil que o banco considera ideal.

Além dos serviços citados acima, o Banco Bradesco disponibiliza diversas formas de investimentos para correntistas que estão sem dívidas com o banco e desejam investir o seu dinheiro.

Como conseguir cupom de desconto das suas lojas favoritas

Os hábitos de consumo das pessoas mudou radicalmente após a chegada da internet. Com ela, veio novas formas de consumir produtos e fazer compras, e isso possibilitou a chegada do cupom de desconto.

As compras por impulso tem sido substituídas por ações mais conscientes. Isso porque as pessoas têm se preocupado com os custos que irá ter ao adquirir determinado produto.

Por isso, o cupom de desconto funciona como uma forma de incentivo, para aquecer as compras e fazer com esse esse cliente compre, mesmo que não esteja precisando realmente daquela mercadoria.

As idas às lojas físicas permanecem, uma vez que muitas pessoas ainda não utilizam a internet. No entanto, as facilidade em poder comprar online com o cupom de desconto é uma realidade muito bem vinda pelos usuários da internet.

Como conseguir cupom de desconto para comprar?

Essa nova alternativa de compra com redução do valor total que é o cupom de desconto, é uma das formas encontradas por muitas pessoas para economizar.

De aplicativos de comida e transporte à lojas de roupa e passagens aéreas, é possível encontrar cupom de desconto e pagar bem menos.

Por isso, vamos te dar algumas dicas sobre como você pode conseguir esses cupons. A maioria dos sites de e-commerce já oferecem essa possibilidade. Ademais, você pode digitar no Google “Cupom de desconto”, juntamente com o nome do estabelecimento do qual você quer fazer a compra.

Outra opção é ser mais direto e colocar o nome do produto que você quer comprar, juntamente com “cupom de desconto“. Quando você for finalizar a compra, utilize o código e ganhe o seu desconto diretamente no site da loja.

Existem alguns sites no qual você pode encontrar alguns cupons e assim, economizar nas compras. São eles: Cuponeria, Cuponomia, Méliuz, Picodi, Groupon, entre outros.

Quem pode solicitar um empréstimo pessoal?

O empréstimo pessoal é um assunto muito conhecido, especialmente por aqueles que estão precisando de dinheiro rápido. No entanto, apesar de famoso, ainda há uma série de perguntas que rondam o assunto.

Para quem não sabe, o empréstimo pessoal se trata de um acordo firmado entre uma instituição financeira e uma pessoa física. Nele, a instituição empresta dinheiro, para que a pessoa pague após, aos poucos e com juros.

Mas, afinal, quem pode solicitar um empréstimo pessoal? Que tal descobrir?

Empréstimo pessoal: quem está apto a solicitar

Para início de conversa, qualquer um está apto a solicitar um empréstimo pessoal, seja pensionista, trabalhador autônomo, pensionistas e, até mesmo, aqueles que estão com o nome negativado.

No entanto, é preciso que você saiba que os valores sobre taxas e juros cobrados mudam de acordo com o seu status. Quando se está negativado, por exemplo, esses juros tendem a ser maiores.

Além disso, algumas instituições financeiras podem exigir que você comprove renda para que o empréstimo pessoal seja aprovado. No entanto, isso não é regra.

Outras, por exemplo, podem exigir algum bem como garantia. Muitas pedem imóveis, terrenos ou carros como uma garantia de que você irá pagar o empréstimo pessoal. Nessas há, inclusive, juros mais baixos devido ao risco.

Devo solicitar um empréstimo pessoal?

Analise se é realmente necessário solicitar um empréstimo. Afinal, apesar de ser uma forma rápida de se conseguir o dinheiro, ainda assim você pode arcar com juros muito mais altos e, além disso, corre o risco de não poder pagar.

O empréstimo pessoal é um acordo muito sério. Precisa ser pensado e repensado diversas vezes antes de ser requerido. Além disso, é importante que você pesquise sobre o tipo de empréstimo que é melhor a você.

Agora que você já sabe que você está apto a pedir um empréstimo, analise muito bem o assunto.

 

« Older posts

© 2020 Cidan Dicas

Theme by Anders NorenUp ↑