Muitos dizem que a arte imita a vida e as relações de trabalho não poderiam ficar de fora da indústria cinematográfica. Em Uma Nova Chance, Maya – interpretada por Jennifer Lopez, é a funcionária que todos os empresários sonham. Dedicada, comprometida e uma excelente profissional, que cada dia que passa, deseja subir de cargo. Mesmo “carregando nas costas” o supermercado onde trabalha, ela não é a escolhida pelo seu chefe, a ganhar a promoção que tanto queria. Ao invés dela, o chefe contrata uma outra funcionária, não tão dedicada, mas com um bom currículo, cheio de referências e formação acadêmica.

E nesse ponto, há uma reviravolta na vida dela, e no filme Uma Nova Chance também. Seu afilhado, a fim de ajudar Maya, altera seu currículo profissional e suas redes sociais. Com isso, Maya, como o título do filme diz, conquista uma nova chance na vida e a transforma da água para o vinho: consegue o trabalho dos sonhos, dentro de uma grande empresa, e de “brinde” ganha roupas estilosas e um apartamento de causar inveja a qualquer um.

Nesse momento, o foco que o filme Uma Nova Chance, traz é outro: a rivalidade feminina dentro de empresas. A briga entre Maya e Zoe – personagem interpretada por Vanessa Hudgens, antigas rivais, cresce, quando disputam para saber qual delas é capaz de subir os lucros da multi-nacional em que trabalham.

É certo que a rivalidade entre as mulheres é antiga e começa ainda na infância. O problema é que isso não fica apenas nos filme. Um dos passos mais importantes para que isso se transforme e que as mulheres não se enxerguem mais como rivais, e sim colegas e quem sabe um dia até amigas, está no diálogo.

O filme Uma Nova Chance, apesar de não agradar parte dos espectadores, por conta de questões inexplicadas, vale a pena assistir só por causa rico elenco que o compõe.