medico urologista

Sistema nervoso

O sistema nervoso do pênis está implicado na criação e na conservação da ereção, assim como da ejaculação. Os nervos sensoriais mais numerosos estão situados no bálano do pênis. Qualquer ereção faz entrar em funcionamento as múltiplas áreas do cérebro, assim, como da medula espinal. A primeira parte da ereção de um pênis é controlada pelo cérebro, conhecida como ereção psicógena. Esta ocorre sob qualquer tipo de estímulo mental ou erótico. As ereções do pênis podem também ser causadas pela fricção da sua própria pele. Esta é conhecida como ereção reflexogênica e é muito comum ocorrer entre homens que sofreram algum dano na medula espinal e que não conseguem atingir uma ereção,sem que seja por estimulação física.

Anomalias estruturais

Um exemplo de anomalia estrutural pode ser o pênis encurvado. Este encurvamento pode ser de nascença, denominado congênito, ou conseguido por qualquer outro motivo. A grande maioria dos homens tem uma leve curva ou uma ligeira inclinação do pênis. Tal não se considera anormal. A curvatura do pênis só se considera anormal a partir do momento em que interfere com a penetração. Raramente se encontra uma curva de tal ordem,que impeça a penetração. Nesta situação, a curva é normalmente em sentido pendente, com um corpo corporal mais largo que outro. Quando esta curva impede a penetração é recomendável recorrer à cirurgia.

Pode acontecer também do penis do homem não crescer o esperado ou ficar abaixo da média nacional. Nesses casos também há diversas formas de mexer com o tamanho do penis, desde cirurgias para aumento, exercicios, bombas penianas e até o famoso creme para pênis macho man.

Aproximadamente em 0,3 a 0,8 % dos nascimentos masculinos a abertura urinária, ou o meatus urethral, tem a parte posterior mais afastada em comparação com o eixo, condição que se conhece como hypospadias. Esta situação em si mesma não é um problema significativo e só se deve submeter á cirurgia em caso de dificuldades em depositar o sêmen na vagina ou em urinar. Há muitos graus de hypospadias, começando pela extremidade do pênis até à base do escroto.

Outra condição anatômica rara é a ausência de testículos. Normalmente, num homem, a testosterona da hormona deve circular sem problemas e pelo menos um ou os dois testículos devem estar presentes nessa ação. Quando os testículos não se vêem no escroto pode tratar-se de um caso de testículos não descidos ou estarem no interior do abdômen. É difícil presenciar uma situação destas na atualidade, pois geralmente é corrigida pouco depois do nascimento.